Cuidado com o Paciente

“Tão importante quanto conhecer a doença que o homem tem, é conhecer o homem que tem a doença” William Osler

Esta frase de William Osler, renomado médico canadense e considerado o “pai da medicina moderna”, é uma das que norteiam minha concepção de cuidado com o paciente.

Quando se trata de cirurgias reparadoras, como a reconstrução de mama pós-câncer, fica fácil o entendimento de que precisamos conhecer p indivíduo como um todo para que um adequado tratamento. Porém, nosso pensamento é que mesmo em procedimentos menos complexos, como a colocação de prótese de silicone, devemos conhecer ao máximo a personalidade do paciente (maneira de pensar, grupo social, atividades cotidianas) para que possamos atingir a satisfação na escolha da forma e tamanho das próteses.

Outro ponto importante é a segurança do paciente. Passamos por uma formação profissional que prioriza a obediência aos importantes protocolos de segurança denominados “procedimentos padrão”. Estes abordam os seguintes aspectos: história clínica apurada (passado do paciente), rotinas de exames, documentação fotográfica, cuidados pós-operatórios e a visita domiciliar quando necessária devido a dificuldades de locomoção do paciente.

Para melhor compreensão, imagine os protocolos de segurança de uma companhia aérea. Por mais que tenhamos o hábito de utilizar esse tipo de transporte, seremos sempre orientados sobre “procedimentos padrão” de segurança, como assento flutuante e máscaras de oxigênio. Nesse sentido, por mais que algo pareça repetitivo e corriqueiro, procuramos estar sempre atentos para minimizar as intercorrências inerentes a qualquer procedimento cirúrgico.