Project Description

Pálpebras

TERMO TÉCNICO: BLEFAROPLASTIA

Definição: Retirada do excesso de pele e de bolsas gordurosas (quando existentes) das pálpebras superiores e inferiores.

Ponto importante a salientar é que o excesso de pele e bolsas de gordura podem estar associados a problemas clínicos que não necessariamente serão corrigidos após a cirurgia. Por isso, a indicação deve ser guiada por uma avaliação clínica criteriosa. Devemos lembrar, ainda, que a cirurgia das pálpebras, isoladamente, pode não proporcionar um rejuvenescimento global da face, o que demandaria outras condutas associadas.

Tipo de anestesia

Geralmente anestesia local com sedação (que deixa o paciente relaxado e sem ansiedade com o procedimento). Anestesia geral pode ser utilizada quando a blefaroplastia está associada a outras cirurgias. Vale lembrar que a decisão do melhor tipo de anestesia fica a cargo do médico anestesista, que decidirá após conversa com o cirurgião e o próprio paciente.

Tempo de duração

Em média de 1 hora se operadas as pálpebras superiores e inferiores, o que pode variar, se operada uma ou outra.

Período de internação

Em média de 6 a 12 horas, o que pode aumentar caso sejam realizados procedimentos associados.

Evolução pós-operatória

O edema (inchaço) das pálpebras é comum e varia de paciente para paciente, sendo mais acentuado nos três primeiros dias do pós-operatório,  e pode estar associado a equimoses (manchas roxas) que geralmente desaparecem totalmente de 7 a 14 dias. Ou seja, do 5º ao 8º dia a (o) paciente segue para uma aparência mais natural, socialmente apresentável.

Esse edema pode dificultar o fechamento das pálpebras durante o sono, expondo o olho o que favorece seu ressecamento. Por isso, indicamos o uso de colírio lubrificante e pomada oftálmica. Após o 3º mês pode ainda subsistir um edema residual discreto.

Os pontos são retirados usualmente no quinto dia depois da cirurgia e após o 14º dia de pós-operatório já se pode ter uma ideia do resultado, todavia, este será definitivo e efetivamente observado após o 6º mês.

Cicatrizes

Sendo a região das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ser praticamente imperceptíveis se confundindo com os sulcos da pele. Toda cicatriz passa por uma fase inflamatória, que se apresenta com um aspecto mais avermelhado. Se necessário, pode-se disfarçá-la, temporariamente, com o auxílio de uma maquiagem leve.

Complicações possíveis

É preciso entender que cada organismo reage de uma determinada maneira à cirurgia. Como exemplo, citamos a reação individualizada a determinados medicamentos, o que nos leva a preferir “esse ou aquele remédio”. Nesse sentido, independentemente do trabalho médico ter sido feito com o maior zelo, perícia e cautela, o resultado final também dependerá da reação do organismo à cirurgia e dos cuidados pós-operatórios, podendo em alguns casos ocorrer resultados desfavoráveis. Entre eles que, felizmente, são raros, o (a) paciente pode apresentar:

* Infecção;

* Necrose de pele, por deficiência circulatória (sendo o tabagismo sua maior causa);

* Abertura dos pontos realizados;

* Complicações anestésicas – conforme o tipo de anestesia realizada – podendo acontecer alergia a medicamentos (choque anafilático), vômitos repetitivos, hipertermia maligna, etc;

* Complicações estéticas – cada pessoa tem um tipo de cicatrização. São exemplos de complicações estéticas o aparecimento de quelóides, hipercromia de cicatrizes (escurecimento ), irregularidades da área operada, etc;

* Má oclusão ocular;

* Ectrópio (pálpebra inferior repuxada para baixo);

* Hematomas (acúmulos de sangue);

* Alteração de sensibilidade da área operada;

* Entre outras.

Recomendações pré-operatórias

* Compareça ao local da cirurgia (hospital, clínica), no horário previsto e marcado na sua guia de internação;

* Apresentar-se para a internação acompanhado (a) de alguém;

* Comunicar qualquer anormalidade apresentada ou uso de medicações antes da internação (ex: doenças, uso de medicações como AAS e anti-inflamatórios que devem ser suspensos 7 dias antes da cirurgia, bem como chá de alho ou GinkoBiloba,etc.);

* Tomar banho de corpo inteiro na véspera da cirurgia;

* Não usar maquiagem no dia da internação;

* Não usar esmalte de cor escura;

* Jejum mínimo de 8h antes da cirurgia (inclusive de água), evitando bebidas alcoólicas ou refeições fartas na véspera da cirurgia;

* Não levar objetos de valor, pois a perda é de responsabilidade do paciente;

* Levar óculos escuros.

Recomendações pós-operatórias

* Aplicar compressas de gaze estéril, embebido em água fria filtrada ou soro fisiológico, que devem ser trocadas a cada 30 minutos, nos 3 primeiros dias. NÃO APLICAR GELO, pois a pele está insensível e podem ocorrer queimaduras;

* Não traumatizar, nem coçar os olhos;

* Não abaixar a cabeça, dormir os 3 primeiros dias com 2 ou 3 travesseiros e sempre de barriga para cima;

* Evitar vento, sol e friagem por um período de 30 dias;

* Usar óculos escuros sempre que se expuser à luz natural;

* Alimentar-se normalmente (salvo em casos especiais que receberão orientação específica);

* Obedecer às prescrições de seu médico;

* Voltar ao consultório para fazer os curativos e as revisões nas datas estipuladas;

* Consultar essas instruções tantas vezes quantas forem necessárias;

* Consultar o Dr. Diogo sobre quando poderá voltar às suas atividades normais;

* O resultado esperado também depende de você.

Lembretes importantes

* Toda cirurgia envolve riscos e toda intervenção com finalidades estéticas quanto reparadoras pode necessitar de retoques;

* Essas recomendações são gerais e dizem respeito à evolução habitual de pós-operatório, podendo ocorrer complicações não contidas neste informativo com as respectivas orientações que se fizerem necessárias.